Clique em um dos links abaixo e acesse o conteúdo desejado
Mais sobre a Cineramabc

A CINERAMABC foi fundada em 2010 por André Gevaerd, profissional da indústria audiovisual com 14 anos de atuação. Sediada em Balneário Camboriú, Santa Catarina, foca suas atividades no desenvolvimento e produção de projetos de conteúdo e entretenimento para exibição em salas de cinema, televisão e internet.

A empresa é responsável pela realização do Festival Internacional de Cinema em Balneário Camboriú, que encontra-se em sua 7ª Edição ininterrupta. Também envolveu-se em exposições sobre a História do Cinema em Santa Catarina, mostra que iniciou viagens pelo estado em 2014.

A CINERAMABC busca agregar o talento existente na região do Vale do Itajaí em uma produtora dinâmica e com olhar para o mercado audiovisual internacional. Para isso trabalha com uma emergente geração de roteiristas e diretores que são capazes de apresentar nova forma e conteúdo audiovisual.

Entre os trabalhos de produção mais recentes e suas participações em festivais destacam-se:

“Valentina” – 19’ – Berlim Shorts e Mérida FICAIJ / “Garoto VHS” – 25’ – Austin IFF, Kinoarte Londrina e Olhar de Cinema / “Sugira Uma Alternativa Razoável” – 18’ – São Paulo IFF / “Oração do Amor Selvagem” – 90’ – Locarno Carte Blanche, Mostra de São Paulo

André Gevaerd é profissional da indústria cinematográfica há mais de 14 anos e trabalha como Produtor, Diretor e Montador de filmes de ficção, documentário e publicidade. Nasceu no dia 02 de fevereiro de 1984 em Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina. Formou-se pela Fundação Armando Álvarez Penteado (FAAP), pelo Faculdade de Comunicação Social com ênfase em Cinema. Durante o tempo de faculdade destacou-se com a produção do curta metragem “Rua Mão Única” (Diretor) e do longa metragem universitário “Caixa Preta” de Marcel Isidoro (roteirista, produtor e montador). Foi indicado para a participar do Kino Kabaret que aconteceu durante o Festival Internacional de Curtas de São Paulo em 2005, ocasião em que realizou o vídeo clip “O Samba da Boa Vontade” (Diretor e montador) e o curta metragem “Fabiozilla” de Marcos DeBritto (Produtor). A participação rendeu convite para participar do Kino Kabaret D’automne durante o Festival du Nouveau Cinéma de Montréal onde realizou o curta metragem “Jazznitt” (Diretor e montador) e o curta metragem “François” de Marcos DeBritto (Produtor e diretor de fotografia).

Iniciou sua carreira profissional prestando serviços em longa metragens de grandes cineastas como Beto Brant, Walter Salles, Daniela Thomas, Sérgio Machado, Fátima Toledo e Sérgio Bianchi e e parcerias com produtores como Fabiano e Caio Gullane, Sara Silveira e Maria Ionesco.

Suas primeiras produções depois da formatura foram os curta metragens “A Cauda do Dinossauro” de Francisco Garcia (Produtor) e “Trópico das Cabras” de Fernando Coimbra (Produtor). Ambos os filmes tiveram grande sucesso em festivais e foram comercializados para televisão e internet. Nos anos seguintes realizou a produção de diversos curta metragens como: “O Troco” de André Rolim, “O Príncipe Encantado” de Sérgio Machado e Fátima Toledo, “O Filme Mais Violento do Mundo” de Gilberto Scarpa, “Pinball” de Ruy Veridiano, “Circuito Interno” de Julio Marty, “Máscara Negra” de Rene Brasil.

Entre os projetos de vídeo, vídeo clipe, institucionais, dirigiu filmes publicitários para Greenpeace, HP – Helmet Packard, Colorlok, Quaker, entre outros.

Participou pela primeira vez do Festival de Cannes em 2010, quando o curta metragem “Estação” de Marcia Faria (Coprodutor e finalizador) participou da seleção oficial de curta metragens. Foi sua primeira experiência em um mercado profissional de cinema, o Marchê du Film. A partir desta experiência mudou o foco de trabalho priorizando a produção de longa metragens com potencial para o mercado nacional e internacional.

Realizou o longa metragem, “Cores” de Francisco Garcia, que fez sua première internacional no Festival de San Sebastian 2012 (Produtor e montador / Prêmio de melhor montagem no Festival da Costa Rica). Tornar-se produtor associado dos longa metragens “Trabalhar Cansa” de Juliana Rojas e Marco Dutra, filme selecionado para a mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes e “O Que Se Move” de Caetano Gotardo selecionado para Gramado, um dos mais importantes festivais para filmes brasileiros.

Em 2011 fundou o Festival Internacional de Cinema em Balneário Camboriú, atuando como diretor geral e curador em parceria com Barbara Sturm. Durante o festival foi produzida a trilogia de curta metragens “Condicional”, “Direcional” e “Existencial” (Produtor), realizados de maneira coletiva com o objetivo de identificar novos talentos locais e os curta metragens “Quinta Coluna” e “Garoto VHS” (Produtor e montador) ambos com direção de Carlos Daniel Reichel.

Participou do Producer’s Network em 2011, 2012, 2013, 2014 e 2016 e foi selecionado como parte do Berlinale Talent’s em 2012.

No ano de 2013 iniciou a produção dos longa metragens “Insubordinados” de Edu Felistoque (Coprodutor) selecionado para a Mostra Internacional de São Paulo e “Oração do Amor Selvagem” de Chico Faganello (Coprodutor e Montador) selecionado para a Carte Blanche do Festival de Locarno.

Atualmente trabalha no documentário “Somos Nossas Montanhas” de Gary Gananian (Produtor), no telefilme “O Céu de Valentina” (Diretor) e desenvolve o longa-metragem “Do Outro Lado da Lua” (Diretor) premiado pelo fundo Ibermedia, Edital da Prefeitura de São Paulo, Prêmio Catarinense de Cinema. O projeto também foi selecionado para o encontro Europa-América Latina do Festival de San Sebastian e Sesc Roteiros Novas Histórias.

Laila Gebhard é formada em Design Gráfico pela Universidade do Vale do Itajaí, em Balneário Camboriú. Também estudou Graphic Design na University of Dundee, Escócia, onde participou de projetos e exposições na área de design na universidade.

Atua na Cineramabc desde 2016, onde foi responsável pela criação de posters do festival e de filmes, como do curta “Valentina”. Desenvolveu os sites da empresa e administra as redes sociais da Cineramabc. Também participou da produção “A Morte de Marga Mayer”, de Camila Toker, como assistente de arte.